Skip to main content

{Resenha} A vida secreta das abelhas

Compartilhe!

   Romance/256 páginas/ Editora: Paralela

 

“Nós não podemos pensar em mudar a cor da nossa pele. É preciso mudar o mundo, é assim que devemos pensar.”

Mais uma vez, Sue Monk Kidd  me deliciou com sua narrativa, construção de personagens e o cenário. Carolina do Sul, Estados Unidos. Como posso nunca ter ido para tal lugar e saber tanto sobre ele e sua história? Se você não sabe do que estou falando, o estado da Carolina do Sul foi o responsável por vários casos de escravidão e também libertação, já que foi lá que ocorreu a Guerra de Secessão e também a luta dos afro-americanos pelos seus diritos civis.

Por que eu comecei a resenha com esse breve resumo histórico? Porque é nessa atmosfera de luta por direitos civis, perseguição e preconceito contra as “pessoas de cor”, que se encontram os personagens da nossa história.

Lily Owens é uma garota branca de 14 anos que não lembra da morte da mãe, mas desconfia que teve alguma coisa haver com o incidente. Como e o porquê, ela não sabe. Desde então, vive junto com seu pai em uma fazenda e aos fins de semana vende pêssegos em uma vendinha. Lily é uma garota inteligente e sonhadora, gosta muito de ler, mas para T. Ray( como ela chama o pai), leitura não serve de nada!

“Que tipo de pessoa é contra a leitura? Talvez ele achasse que os livros despertariam em mim a vontade de fazer faculdade, que ele achava uma perda de dinheiro no caso das meninas, mesmo que elas, como eu, tivessem as melhore notas possíveis no teste de aptidão verbal.”

Mesmo não sendo compreendida e mal-amada por T. Ray, Lily sabia que podia contar pelo menos com uma pessoa no mundo, alguém que depois de sua mãe partir, sempre cuidou dela: Rosaleen. A babá de Lily.  Embora Lily fosse cuidada por Rosaleen, isso não significava que ela era uma menina linda, jeitosa ou que andasse arrumada.

“Eu precisava de toda a ajuda que a moda pudesse me dar, pois ninguém, ninguém mesmo, jamais me disse: “Lily, você é uma menina tão bonitinha!”. A não ser a srta. Jennings da igreja, que era praticamente cega.”

E quando tudo na sua vida não poderia ficar pior, ela decide fugir para Tiburon junto com Rosaleen, cidade aquela que parece esconder algo sobre sua mãe. Quem era ela? Do que ela gostava? Ela realmente amava Lily ou apenas fugiu deixando-a para trás com T. Ray?

Ao chegar na cidade, Lily e Rosalen são acolhida por três irmãs em sua casa rosa pink. Sem dúvida, a casa mais chamativa da região. E é ali que Lily conhece aos poucos como é o mundo das abelhas e o que esses seres ás vezes tão ridicularizados por seu tamanho e ousadia, podem nos ensinar, sobre persistência, união, família e cooperação.

“A maioria das pessoas não tem ideia do quanto complicada é a vida dentro de uma colmeia.  As abelhas  têm uma vida secreta que nós não conhecemos de forma alguma.”

No desenrolar da história, vamos aprendendo junto com Lily, algumas tradições daquelas mulheres da casa rosa, suas vidas e seus próprios conflitos. Mais uma vez, somos instigados a pensar em como nossas atitudes, nossa cor, nossa classe social, reflete nos outros. Lily acabou descobrindo o preconceito da maneira mais difícil: sofrendo. Muitas vezes dizemos que apenas uma raça sofre preconceito e a outra não. Isso não é verdade. Brancos podem ter preconceitos com os pretos assim como os pretos também podem ter preconceitos com os brancos.

Além disso, aprendemos uma das mais conhecidas lições que a vida nos dá, que esta, não importa a sua cor ou credo, ela é bem simples e para todos:

“O mundo tem a peculiaridade de continuar girando por mais tristes que sejam as coisas.”

Entrelinhas… o mundo não vai parar de girar só porque estamos passando por um momento ruim, claro que precisamos de tempo para nos recompor de alguns incidentes, mas nunca devemos deixar que eles tomem conta de toda nossa vida e nos façam parar naquele tempo. O mundo continua girando, você ainda vai passar por muita coisa e quando estiver prestes a desistir lembre-se: as abelhas muitas vezes carregam o dobro do seu peso e fazem várias viagens para produzir seu néctar, mesmo com um mundo tão perigoso para elas fora da colmeia, não desistem e dão o seu melhor. Isso porque a vida das abelhas é muito curta, se elas ficarem se lamentando, não viverão o suficiente para ver o mundo lá fora.

 

P.S: Tem filme sobre o livro, com o mesmo título!

2 comentários em “{Resenha} A vida secreta das abelhas

  1. Muito boa a resenha Pri!Já assistir o filme é realmente muito instrutivo especialmente quanto ao fato que precisamos aproveitar bem a nossa vida para fazermos as coisas certas e importantes para com todos independente das circunstâncias,

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Mostrar
Esconder