Skip to main content

{Resenha} Noites Brancas- Dostoiévski

Compartilhe!

   Romance/ 96 páginas/ Editora 34

 “Meu Deus! Um minuto inteiro de felicidade! Afinal, não basta isso para encher a vida inteira de um homem?”

Talvez pela epígrafe acima, tenha-se alguma ideia sobre o que se trata a história de Dostoiévski. Foi o primeiro livro do autor que li e já nessa breve história percebemos o quão profundo, sensível e porque não melancólico são as suas histórias? Mas esse fato não é à toa, haja vista a vida que o nosso escritor viveu, muito sofrida e triste.  Além disso, o próprio narrador nos explica o porquê de “Noites Brancas”, fazendo uma referencia a um fenômeno climático que ocorre na Russia e em algumas regiões mais ao norte da Europa, onde mesmo o sol  se pondo consegue manter as regiões iluminadas  deixando assim as noites “brancas”. E de fato, sentimos essa atmosfera na leitura, um ar mais melancólico, bem a cara do romantismo!

Quanto a história em Noites Brancas, pelo o que pude pesquisar, foi a que mais se aproximou do gênero romance dos escritos de Dostoiévski. Malgrado o pouco caso com o romance, a história não decepciona! Esta é divididas em cinco partes: Primeira Noite, Segunda Noite, Terceira Noite, Quarta Noite e Manhã. O narrador personagem denomina-se como Sonhador. Sua narrativa é dialogada com o leitor e isso nos trasporta para a velha São Petersburgo, cidade a qual se passa a história.

A descrição da cidade, das casas, das pessoas, do lago, de tudo enfim situa-se no incipiente da narrativa. Ele tem intimidade ao falar da arquitetura da cidade, o porquê de uma casa não gostar da cor que foi pintada pelo dono ele até sabia, pois conforme descrito por ele: “As casas são minhas conhecidas.” Frases como essa nos apresenta ou nos faz imaginar como dever ser a vida do Sonhador: um homem inteligente mas solitário.

Em uma dessas andanças, o nosso Sonhador depara-se com uma moça que chora. E quando ele se apercebe, ela já está indo embora e acaba sendo perseguida por  um homem que quer fazê-la mal. O Sonhador então vai atrás da moça e a leva em segurança para casa. No caminho, os dois conversam amigavelmente e ele descobre o nome dela: Nástienka.

Após um tempo, eles se tornam amigos e Nástienka conta toda a sua vida para o Sonhador e cá pra nós, que história de partir o coração! Mas deixarei para vocês lerem na íntegra! Depois de conversar com Nástienka, o Sonhador acaba se apaixonando por ela. Logo traz  consigo algumas reflexões sobre a vida, relacionamentos e tudo o mais. O nosso Sonhador enfrenta um sentimento que todo ser humano algum dia vai passar ou já vivenciou: o drama de amar alguém e ter dúvidas se o amor é recíproco ou se vale a pena!

No entanto, lembremo-nos que a obra é a que se assemelha mais com o romantismo, então a sucessão de fatos a seguir é bastante característico do gênero. Por isso, lhes pergunto: O sonhador consegue finalmente deixar a solidão de lado e dar chance a um amor de verdade? Nástienka conseguirá superar suas ansiedades e confiar no novo amigo? Eles conseguem ficar juntos? São perguntas interessante e que eu lhes garanto: a resposta está na leitura do livro e não decepciona!

Espero que façam uma excelentíssima leitura do nosso talentosíssimo escritor russo!

Um comentário em “{Resenha} Noites Brancas- Dostoiévski

  1. Geralmente os livros que você resenha vão para minha lista de desejos, mais esse não. Me pareceu ser um livro meio melancólico, sofrido, sentimental, e como você mesma disse, puxado para o romance rsrs por incrível que pareça não sou fã de romances, só se for policial rsrs gosto de ficção e de livros bem dinâmicos, uma leitura arrastada me obriga a ler o livro em longos meses, enfim, não é meio gênero mais ótima resenha. Beijinhos…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Mostrar
Esconder